Quando pensamos no mercado de trabalho, é preciso entender as mudanças que ocorreram nos últimos anos. Há pouco tempo as empresas ditavam as regras de crescimento profissional, não havia o protagonismo na carreira.

As organizações que decidiam quando o profissional deveria ser promovido, para qual função e as pessoas aceitavam isso, tanto que passavam anos trabalhando no mesmo lugar.

Com a globalização e a evolução digital, as pessoas começaram a refletir sobre as suas carreiras e qual caminho queriam seguir. Com isso, começou a se pensar no protagonismo na carreira, com o profissional mirando em objetivos para serem atingidos e qual caminho percorrer.

Um grupo mais restrito, o dos profissionais com deficiência, além de assumir o protagonismo na carreira, precisou enfrentar um desafio ainda maior. Eles tinham de superar o preconceito e a ideia errada de que são improdutivos e só estão trabalhando devido à Lei de Cotas.

Para isso, não podem ficar se lamentando; necessitam entender que estão em um mercado competitivo e precisam se preparar para ele. Nesse momento é que deve surgir o protagonismo para que ele dite qual direção deve ser seguida e de que maneira se comportar.

É mostrar que muitos dos rótulos criados para os profissionais com deficiência não são reais e que a Lei de Cotas serve apenas como uma porta de entrada para bons profissionais no mercado de trabalho.

A responsabilidade do protagonismo na carreira


Um profissional passivo pode se tornar protagonista? Quem é responsável por essa transformação?

Esses questionamentos são comuns nas pessoas que estão buscando o protagonismo na carreira e desejam se adaptar ao mercado de trabalho. É necessário compreender que as empresas não têm nenhuma responsabilidade nesse processo; ele cabe apenas ao indivíduo.

A mudança de pensamento e força de vontade permitem que as pessoas deixem de aceitar tudo e se conformar e passem a querer trilhar os seus próprios caminhos.

Portanto, o protagonismo na carreira só é alcançado com a mudança de pensamento e, muitas vezes, com a superação de alguns preconceitos. Dessa forma, podemos dizer que cada um é responsável pelos seus atos e também pelo sucesso e satisfação com o seu trabalho.

Como o profissional com deficiência pode garantir o protagonismo na carreira


O que diferencia o protagonismo na carreira são as atitudes e pensamentos que a pessoa adota na sua trajetória profissional. Ela pode ser passiva e aceitar tudo o que lhe for imposto ou se tornar protagonista e decidir o que fazer.

Uma das formas de garantir que a trajetória tenha os rumos planejados é saber que é preciso se sobressair aos demais profissionais. Não que isso deva ocorrer de forma arrogante, mas é necessário superá-los para conseguir destaque e, assim, se colocar na posição que desejar em vez de ser colocado.

O protagonismo na carreira exige muita humildade, pois será preciso reconhecer que não se tem todo o conhecimento necessário e, portanto, deve-se buscá-lo. O aprendizado é algo constante na vida de quem sabe onde quer chegar.

O profissional precisa ter um plano de desenvolvimento individual e metas a serem alcançadas em sua carreira, mas precisa estar preparado para lidar com os imprevistos. Quando surgem desafios, deve saber como lidar com eles e os encarar de forma positiva, o que garante sua adaptabilidade ao mercado de trabalho.

Um ponto muito marcante no protagonismo na carreira está no fato do profissional com deficiência discutir o seu crescimento com a empresa. Após avaliar os seus pontos positivos e estratégias, é possível apresentar propostas para que possa conseguir novos cargos ou promoções; ele também pode aceitar sugestões da organização, mas a decisão final passa a ser dele.

Em contrapartida, as empresas que possuem profissionais comprometidos se beneficiam com a redução dos custos com capacitação, uma vez que eles buscam o aperfeiçoamento por conta própria. Além disso, sofrem com menos problemas de gestão e têm um clima organizacional mais positivo com colaboradores satisfeitos.

O protagonismo na carreira do profissional com deficiência deve ser visto como uma maneira de mostrar as capacidades e qualificações que a pessoa possui. Serve para guiar a sua carreira e mostrar que, com determinação e planejamento, é possível alcançar a posição desejada no mercado de trabalho.

O protagonismo ainda não está presente em todos os profissionais, você acredita que faz parte desse grupo seleto?