O conceito de cultura inclusiva nas empresas muitas vezes é entendido de forma errada. A princípio, as organizações acreditam que basta contratar um profissional com deficiência (PCD) que isso garante a inclusão.

Porém, é preciso que haja um conjunto de valores e ações para que a cultura inclusiva nas empresas seja posta em prática. Para que isso ocorra é necessário tempo e, somente quando estiver enraizada na organização, todos os colaboradores serão tratados de forma justa.

A fim de que todos os colaboradores sintam que fazem parte da equipe, independentemente de suas limitações, é preciso quebrar algumas barreiras:

  • Atitudinal: Está relacionada à atitude que se tem com os demais. Nesse sentido, é preciso superar alguns estereótipos e preconceitos. Muitas vezes isso está relacionado ao viés inconsciente e para que ele seja superado é preciso se permitir conhecer o outro;

  • Comunicacional: A comunicação pode ser uma grande barreira se a empresa não se propuser a diversificar a sua forma de transmitir as mensagens. Deve-se garantir que todos entendam o que está sendo passado, seja por libras, comunicados escritos, por vídeo, áudio e outros;

  • Arquitetônica/Tecnólogica: Relacionada à estrutura física, ela deve garantir que todos possam ter livre circulação pelos ambientes e autonomia de trabalho. Uma forma de garantir esse acesso é aplicando o conceito do desenho universal.


Criando a cultura inclusiva nas empresas


Conhecendo quais são as principais barreiras para implementar a cultura inclusiva nas empresas, deve-se seguir alguns passos para que se tenha sucesso nos resultados. Mesmo empresas que acreditam promover a inclusão devem ouvir seus funcionários a fim de garantir que a filosofia inclusiva não está apenas no papel, mas também na realidade do cotidiano.

Veja o que pode ser feito pra garantir que a inclusão ocorra:

Repensar os processos de admissão


O processo seletivo deve ser justo e para isso deve focar nas qualificações dos candidatos e não em peculiaridades individuais. Uma forma de garantir que isso ocorra é fazer uma seleção às cegas e rever a estrutura do recrutamento para que ele possa realmente ser inclusivo.

Os recrutadores e gestores devem estar preparados para acolher a todos os candidatos e garantir a imparcialidade em todo o processo.

Criar um projeto de inclusão social


Para que a cultura inclusiva possa ocorrer, ela deve ser cultivada até que a ideia seja comprada por todos. É necessário elaborar um projeto que vise conscientizar os colaboradores e garantir que ele seja implementado.

Para que haja mais sucesso, o projeto pode ser elaborado em parceria com diferentes áreas, dessa forma abrangerá melhor as diferentes necessidades, com organização, todas as áreas são responsáveis pela inclusão. O envolvimento de todos faz com que a inclusão aconteça de forma natural.

Trabalhar com os líderes a cultura inclusiva nas empresas


Os líderes devem ser os primeiros a entender a importância da inclusão na organização, pois são eles quem ajudarão na disseminação dessa cultura. Serão eles também que vão contribuir para o acolhimento dos novos funcionários e vão ajudar na seleção e promoção desses profissionais.

Uma forma de fazer isso acontecer é propor que os gestores desenvolvam ações com suas equipes e deem oportunidades para os mais variados talentos.

Capacitar e conscientizar os colaboradores


Não basta preparar os gestores para lidar com a nova cultura, os demais colaboradores também precisam estar cientes das mudanças e benefícios que elas podem trazer. Promover palestras de conscientização e esclarecer dúvidas sobre os profissionais com deficiência é o primeiro passo para ajudar na inclusão de todos os funcionários e a criar um ambiente de trabalho mais harmônico e produtivo.

Além disso, criar campanhas que possam reforçar o que foi aprendido em palestras e treinamentos faz com que a cultura inclusiva nas empresas se torne mais natural.

Mensurar os resultados conseguidos


O projeto de inclusão deve ter objetivos a serem atingidos e formas de mensurá-los. Ter indicadores, sejam eles qualitativos ou quantitativos, permitirá saber se as ações estão tendo o efeito esperado, se há algum desvio e onde ele está ocorrendo.

Dessa forma, podem ser tomadas atitudes a fim de garantir que o objetivo maior do projeto seja atingido. Porém, mesmo quando ele é alcançado, a medição deve continuar para garantir que a cultura esteja estabelecida.

Conseguir implementar um novo pensamento nos colaboradores é um processo demorado, mas quando se tem o engajamento dos gestores, ele pode ser mais fácil.

Quando se tem uma cultura inclusiva nas empresas, é possível perceber os ganhos não apenas para a organização, mas, para todos os seus colaboradores.

Fique sabendo das novidades sobre cultura inclusiva e outros temas. É só nos seguir nas redes sociais: Facebook, Instagram e Linkedin.