Uma pesquisa realizada recentemente pela Vagas.com em parceria com a Talento Incluir identificou que cerca de 65% dos profissionais com deficiência já se sentiram discriminados no ambiente de trabalho. Esse pode ser um dos motivos que leva a pedidos de demissão.

Para os profissionais de RH, esse quadro poderia ser revertido se houvesse mais informação para diminuir o preconceito. Já para os trabalhadores de outras áreas, os problemas seriam outros: 24% consideram que seja falta de preparo do RH e 21% pensam que seja falta de envolvimento da liderança.

Quando analisado apenas o processo seletivo, esse percentual de discriminação é um pouco menor, de 59%. Porém, o número ainda é bastante alto. Quando questionados sobre o motivo que levou à discriminação nessas duas situações, 74% dos profissionais acreditam que tenham sido por conta de sua deficiência.

Fica evidente que o preconceito, muitas vezes por falta de conhecimento, é um dos motivos que levam a pedidos de demissão, mas existem outros. Confira quais são eles.

Pouco espaço para crescer

Muitas empresas acreditam que os profissionais com deficiência só estão trabalhando porque a organização precisa cumprir com a Lei de cotas. Não se preocupam em verificar as qualificações desses trabalhadores e analisar as suas capacidades.

Quando surgem oportunidades, por não haver um programa de inclusão consistente, muitas vezes quem possui algum tipo de deficiência é desclassificado por nem ser considerado como apto para mudar de setor ou crescer na empresa.

É um erro acreditar que deficiência, é um impeditivo para que se tenha um colaborador produtivo e comprometido.

Falta de desafios e pouco reconhecimento

Outra questão que leva a pedidos de demissão é a falta de reconhecimento. Qualquer pessoa que começa a trabalhar em uma empresa e deseja crescer dentro dela busca caminhos para conseguir um crescimento seja em sua área ou em outra. Com os profissionais com deficiência não é diferente.

O problema é que muitas vezes eles não são nem avaliados pelos gestores por esses entenderem que isso poderia ser um tipo de discriminação, sendo que é exatamente o oposto. Assim, não é possível mensurar o seu desempenho e como evoluiu durante o tempo em que permaneceu na empresa.

A falta de desafios, a carência de novas propostas e o trabalho repetitivo, mesmo que o colaborador busque por algo novo, gera um sentimento de desvalorização e, consequentemente, estimula o pedido de demissão.

Liderança despreparada

A liderança não se envolve em programas de inclusão por pensar que não há necessidade ou por considerar que um profissional com deficiência em sua equipe irá prejudicá-la.

A verdade é que os líderes e gestores não sabem como lidar com essa situação e acabam não acolhendo o profissional ou não lhe garantindo as mesmas oportunidades que o restante do time. Quando isso ocorre, surgem as primeiras barreiras de relacionamento com os colegas de trabalho e a dificuldade para crescer.

Se a liderança estivesse preparada, esse quadro poderia ser revertido com maior facilidade, pois os profissionais com deficiência se sentiriam parte da empresa e seriam reconhecidos quando merecido.

Cultura de trabalho ruim propícia a demissão

A pesquisa apontou também que 40% dos profissionais de RH disseram que suas empresas possuíam um programa de diversidade, mas, quando checada a informação com o público geral, esse percentual é de 31%. Além disso, para cerca de 62% dos que trabalham na área de Recursos Humanos, as empresas em que trabalham não estão preparadas para lidar com a diversidade.

Isso demonstra que a realidade é bastante diferente do que a teoria, em que todos deveriam ser tratados de forma justa e receber as mesmas oportunidades.

Essa cultura não inclusiva acaba gerando discriminação e diminuindo a falta de oportunidade para alguns grupos e faz com que a demissão seja o melhor caminho para quem busca um bom ambiente de trabalho e respeito profissional.

O pedido de demissão muitas vezes não está associado diretamente às atividades desempenhadas ou remuneração, como muito se acredita. O grande problema é a discriminação dos profissionais com deficiência que não são bem acolhidos na empresa ou não recebem as condições necessárias para que obtenham oportunidades de crescimento profissional.

Continue lendo o blog da Talento Incluir para saber mais sobre inclusão de profissionais com deficiência no mercado de trabalho.