Após tomar uma multa da Lei de Cotas, uma empresa precisa adotar medidas para regularizar a situação e evitar que esse tipo de episódio volte a ocorrer. Entretanto, apenas sair contratando pessoas com deficiência pode não resultar em muito sucesso, isso porque pode não haver estrutura para receber o colaborador, os gestores podem resistir a recebê-los na equipe, entre outros.

Uma frase que costumamos dizer é: Quando não há a inclusão a diversidade não fica! É preciso que haja uma mudança cultural que permita praticar a inclusão da maneira correta, o que envolve estudos, planejamento, conscientização e buscar ajuda externa.

Como evitar uma futura multa da Lei de Cotas


Se a multa já foi aplicada na empresa, significa que a empresa não realizou ações reais para a inclusão, e por isso foi penalizada. É muito mais inteligente e sustentável em ter ações que promovam a inclusão continuar insistindo no pagamento de multas.

Já sabemos os benefícios que a diversidade pode proporcionar para as empresas como também o impacto negativo. Principalmente quando a ação se torna reincidente e pública.

Existem ações estruturadas que auxiliam no desenvolvimento de programas de inclusão, seja algumas medidas que podem ser adotadas.

Fazer um diagnóstico de diversidade e inclusão


É preciso entender o quanto a empresa está apta para trabalhar com a diversidade e praticar a inclusão. Isso pode ser esclarecido por meio de um diagnóstico que avaliam diversos critérios para saber se a empresa está mais ou menos próxima de um cenário de diversidade e inclusão.

Com base nessa análise, é possível saber o que deve ser feito, por onde começar e outros pontos fundamentais.

Mobilizar RH e gestores


Normalmente, é o setor de RH que encabeça o projeto de inclusão e as ações que serão efetuadas, por isso, essa área deve ser a primeira a se preparar, conhecendo melhor sobre a Lei de Cotas, o conceito de inclusão, como fazer para receber os colaboradores com deficiência e outros.

Entretanto, uma área apenas não consegue mudar a cultura da empresa e garantir que os profissionais com deficiência ocupem o seu espaço. O próximo passo é mobilizar os gestores, o envolvimento da liderança é fundamento o sucesso da inclusão.

Eles serão fundamentais para que tudo possa acontecer; se não estiverem envolvidos no processo, é muito provável que os esforços fracassem.

Contar com a ajuda de uma consultoria


Dar esses primeiros passos iniciais pode ser bastante confuso para a empresa e os erros serão mais frequentes se não tiver parceria com uma consultoria especializada em inclusão de pessoas com deficiência.

Busque ajuda de uma consultoria renomada e que possa auxiliar em diferentes etapas, como no diagnóstico, orientação das etapas, conscientização, elaboração do projeto e até mesmo com a contratação dos funcionários.

Dessa forma, evita-se erros que, caso sejam cometidos, vão demandar tempo e dinheiro para serem corrigidos e poderão até gerar uma nova multa da Lei de Cotas.

Criar um projeto de inclusão


Com os gestores envolvidos e conscientizados, é hora de elaborar o projeto de inclusão com as ações que serão implementadas, objetivos que devem ser atingidos, tempo para executar as propostas, responsáveis por elas e muitos outros.

O projeto de inclusão é o que vai definir as estratégias para tornar a empresa inclusiva e adequada para que profissionais com eficiência possam trabalhar nela. Ele também deverá contemplar maneiras de promover a mudança da cultura organizacional para que as metas propostas sejam atingidas.

Envolver todos os funcionários


De nada adianta criar um projeto e envolver a gestão se os demais funcionários não souberem o que está acontecendo e não contribuírem com as ações. A resistência entre os colaboradores pode fazer com que com os profissionais com deficiência peçam demissão, o que resultaria  em alto turnover e para critério da lei de cotas estaria abaixo abaixo novamente do número necessário para o cumprimento da Lei de Cotas.

Todos devem estar cientes das mudanças pelas quais a organização está passando e devem ser conscientizados da contribuição que as pessoas com deficiência podem trazer. Dessa forma, acolherão os novos colegas de trabalho e conseguirão trabalhar em parceria sem que haja discriminação.

Permitir que o processo seletivo seja inclusivo


Depois de tudo preparado na empresa para receber os colaboradores, é essencial ter um processo que permita aos candidatos com deficiência participarem sem que sejam excluídos ou discriminados.

É necessário compreender que a contratação será feita por conta dos conhecimentos e habilidades dos candidatos e não apenas para evitar a multa da Lei de Cotas e as etapas de seleção devem levar isso em consideração.

Em resumo, a multa da Lei de Cotas deve servir como um alerta para as empresas entenderem que não estão seguindo os ideais esperados pela sociedade e que elas podem se aprimorar. Apesar dessa ser uma punição, em alguns casos, será o pontapé inicial para que ocorra uma transformação positiva.

Quer sabe mais sobre o que fazer em caso de multa da Lei de Cotas? Entre em contato com a Talento Incluir e receba as orientações de uma consultoria especializada.